Home

Dr. Edson

Vídeos

Fotos

Local

Contato

 

 

Disciplina - Considerações


O AMOR é essencial, mas não suficiente. Os PAIS necessitam ter paciência, otimismo e disponibilidade. Deve-se ter EMPATIA, que quer dizer SINTONIA (sentir o que o filho está sentindo e vice-versa, ou seja, permitir/facilitar que o filho perceba o que os pais estão sentindo).

Ouvir e compreender. Dar e repetir explicações.

Paternidade não autoritária, porém quando necessário saber impor autoridade.

Premissa: todos os sentimentos são respeitáveis, mas nem todos comportamentos são.

Não reprimir as emoções, mas sim as atitudes incompatíveis.

Estabelecer limites (fundamental para o desenvolvimento saudável e profilático para evitar problemas posteriores). Lembrar que a forma e qualidade (atitudes) da relação dos pais e outros menbros da família servirão de modelo para a criança. As crianças tentam manipular e colocar os pais em contradição. Se um membro do casal não concordar com a posição do outro, esta discussão deve ocorrer entre os dois e não na frente das crianças.

 

Regras e Disciplina

 

1. As regras são importantes para a criança criar um padrão de conduta apropriada.

 

2. Devem ser:

a) Em número reduzido;

b) Só para assuntos importantes;

c) Justas (coerentes);

d) Devem estar de acordo com o nível de compreensão da criança;

e) Entender que a criança não aprende logo na 1º vez (nem mesmo nas 1ª vezes);

f) Os pais devem agir sempre igual (consistência e persistência);

g) Admite-se o relaxamento de regras em ocasiões especiais;

h) Estar aberto a discutir as regras, mas a decisão final deve ser dos pais;

i) A melhor forma de diminuir a frequência de comportamentos inadequados é ignorá-los, até o limite estabelecido;

j) O comportamento adequado da criança deve ser reforçado por elogios e recompensas;

k) Punição (nunca bater) pode ser usada ocasionalmente para desestimular uma conduta muito prejudicial ou perigosa;

l) A punição deve ser:

■ Justa, imediata e coerente (mesma falta, mesma punição);

■ Dizer firme, mas calmamente: -"Você não pode fazer isso". Adicione explicação breve;

■ Retirar regalia ou brinquedo;

■ Retirar a criança para um lugar monótono, por tempo curto (quanto menor a criança, em idade, menor o castigo em duração);

■ Quando tirar a criança do castigo, vale a pena, repetir o motivo que o colocou de castigo, e perguntar: -"Você entendeu porque ficou de castigo"?

__________________________________________________________________________________________________

Recomendo também que os pais leiam livros relacionados com o tema.

Exemplos:

- Coleção Pé no Chão - Liliana lacocca

- Limites sem Trauma - Tania Zagury

 

Do seu amigo de sempre, Dr. Edson Trevisan

 

 

Clique aqui para ler a Palestra sobre displina do Dr. Içami Tiba

 

Clínica Infantil - Dr. Edson Trevisan - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Nery Systems